Beja (1)
19 de Junho 2016 10h

Entre Ribeiras: Na Confluência das Ribeiras de Terges e Cobres – Turismo de Natureza e Sustentabilidade

COLABORAÇÃO: Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (Parque Natural do Vale do Guadiana)

APOIO: Câmara Municipal de Beja

“A cultura ecológica não se pode reduzir a uma série de respostas urgentes e parciais para os problemas que vão surgindo à volta da degradação ambiental, do esgotamento das reservas naturais e da poluição. Deveria ser um olhar diferente, um pensamento, uma política, um programa educativo, um estilo de vida e uma espiritualidade que oponham resistência ao avanço do paradigma tecnocrático.” (Laudato Si’, 111)

As bacias hidrográficas das ribeiras de Terges e de Cobres cobrem uma parte significativa do Campo Branco. O relevo homogéneo e monótono da peneplanície baixo-alentejana altera-se apenas na presença destes cursos de água que, pelas suas características, guardam muita da biodiversidade original do território, ao contrário das áreas envolventes, moldadas pela ocupação humana de centenas de gerações de pastores e agricultores. São os “nossos oásis”.

Esta actividade decorre num percurso entre as duas ribeiras e um barranco afluente, cuja vegetação foi sabiamente salvaguarda, ao longo de muitos anos, pelos proprietários da herdade. No final, em torno de uma unidade-modelo de agroturismo, na Herdade dos Xistos, esperam-nos um conjunto de descobertas: o potencial natural e o saber fazer.

Realiza-se aqui, no coração do distrito de Beja, uma evocação, pelos amigos, de Armando Sevinate Pinto [1946-2015]. Descendente de uma família de lavradores e engenheiro agrónomo, desempenhou, entre outros cargos públicos, o de ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas (2002-2004). Grande apaixonado pelo mundo rural e pelo Alentejo, foi o primeiro presidente do Conselho de Curadores do Festival Terras sem Sombra.