odemira
8 de Maio 2016 10h

Um Hotspot de Biodiversidade Vegetal do Ocidente Europeu: O Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina

COLABORAÇÃO: Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina); Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

APOIO: Câmara Municipal de Odemira

“Algumas espécies pouco numerosas, que habitualmente nos passam despercebidas, desempenham uma função censória fundamental para estabelecer o equilíbrio de um lugar.” (Laudato Si’, 34)

Ao longo de um percurso de cerca de 5 km, partindo de um porto de pesca – o Portinho do Canal –, realiza-se um transecto de reconhecimento das comunidades vegetais do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina. Este foi criado em 1988 e abrange territórios nos concelhos de Aljezur, Odemira, Sines e Vila do Bispo, desde São Torpes, a sul de Sines, até ao Burgau, já na costa meridional algarvia, incidindo numa faixa marítima de 2 km de largura que acompanha a área protegida em toda a sua extensão.

O percurso será guiado por investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa que o conhecem à perfeição e focará as principais cambiantes de habitat que caracterizam o Parque Natural: arribas, dunas, charnecas litorais e charcos temporários. Nesta oportunidade soberana de conhecer um dos principais tesouros de biodiversidade do Portugal atlântico, proceder-se-á à sinalização e ao controlo de núcleos pioneiros de espécies vegetais invasoras. Ter-se-á igualmente em conta o interface património natural/património cultural.